quarta-feira, agosto 29, 2012

Umbral segundo o filme Nosso Lar

Tantos pensam sobre o umbral, porém nem de longe creem ou tem ideia do sofrimento que se passa conforme a vida que levou na terra. André Luiz, no seu livro Nosso Lar, faz um esboço do que acontece exatamente e pode ser percebido nas cenas do  filme baseado na obra citada.. Assista e pense bem nos atos que pratica.

terça-feira, agosto 28, 2012

Origem da crise GLOBAL


Estou compartilhando este vídeo e aconselho que seja assistido até o final.
Sabe-se que o conhecimento sempre nos chega distorcido, mas quem sentiu e sente na pele, 
 as consequências da crise econômica Global  fala-nos com propriedade sobre o
 tema que  nós nunca temos acesso com precisão. 

quarta-feira, agosto 22, 2012

Sonho Intrigante

Dormia confortavelmente, quando apareceu um anjo esplêndido, luminoso que se dizia vindo da colônia da política e me abordou assim: 
-Acorda, menina! Anda, vai trabalhar! Um novo amanhã se aproxima e exige ação tua dos teus e do grupo.
Assustada interpelei:
- Como? Estás enganado. Esta tirania não acaba nunca!
-Cadê tua confiança na providência? Já esqueceste de que há uma reunião toda vez que se aproxima um pleito e de que vence sempre aquele que a espiritualidade elege como o que fará menos mal ao povo?
-Desculpe, eu já li isso.
Naquele momento acordei perplexa, embora tivesse vontade de ter conversado mais. Mas aquele sonho me levou a várias reflexões: Primeira já passamos por tantas decepções em relação a política... mas se vence sempre o melhor, como seriam aqueles que não se elegeram? A segunda reflexão foi: tinha esquecido que estamos passando por um momento de transição no planeta ( para um mundo melhor) o povo sofrido certamente terá sua vez já que os coronelistas, opressores, e escravocratas sempre tiveram seus momentos de glória.
Portanto temos de confiar porque como disse o anjo em breve esta paz se instalará, mas não sem antes  haver uma busca e uma tomada de consciência a fim de que se faça valer as palavras de Jesus:"Faz a tua parte que eu te ajudarei"

sábado, agosto 18, 2012

Relógio do Coração


 Mário Quintana
Há tempos em nossa vida que contam de forma diferente.
Há semanas que duraram anos, como há anos que não contaram um dia.
Há paixões que foram eternas, como há amigos que passaram céleres, apesar do calendário nos      mostrar que ficaram por anos em nossas agendas.
Há amores não realizados que deixaram olhares de meses, e beijos não dados que até hoje esperam o desfecho.
Há trabalhos que nos tomaram décadas de nosso tempo na Terra, mas que nossa memória insiste em contá-los como semanas.
E há casamentos que, ao olhar para trás, mal preenchem os feriados da folhinha.
Há tristezas que nos paralisaram por meses, mas que hoje, passados os dias difíceis, mal guardamos lembrança de horas.
Há eventos que marcaram, e que duram para sempre: o nascimento do filho, a morte da avó, a viagem inesquecível, o êxtase do sonho realizado.
Estes têm a duração que nos ensina o significado da palavra “eternidade”.
Já viajei para a mesma cidade uma centena de vezes, e na maioria das vezes o tempo transcorrido foi o mesmo.
Mas conforme meu espírito, houve viagem que não teve fim até hoje, como há percurso que nem me lembro de ter feito, tão feliz estava eu na ocasião.
O relógio do coração hoje descubro, bate noutra frequência daquele que carrego no pulso.
Marca um tempo diferente, de emoções que perduram e que mostram o verdadeiro tempo da gente.
Por este relógio, velhice é coisa de quem não conseguiu esticar o tempo que temos no mundo.
É olhar as rugas e não perceber a maturidade.
É pensar antes naquilo que não foi feito, ao invés de se alegrar e sorrir com as lembranças do que viveu.
Pense nisso. E consulte sempre o relógio do coração: ele lhe mostrará o verdadeiro tempo do mundo.

sexta-feira, agosto 17, 2012

UMA PALAVRA

Add caption
Tem gente que se preocupa com a perda de emprego, outros, com as eleições, enquanto outros estão a se preocuparem com as contas sem pagar, ou mesmo com a perda do namorado(a) ou até com o parente que está doente ou desencarnou. O que eu acho mais que justas tais preocupações, porém alguém se preocupar com a menção de uma palavra? Pior que este fato ficou a martelar na mente. Quanto pensa que  acabou, lá vem a maldita.
Tal palavra poderia até preocupar menos, se não fosse a presença anteposta do advérbio de negação. Esse danado deixa sempre aquele quê de negatividade que chateia, diminui, acabrunha.
Esta intrigante palavra que tem tirado o sossego, o sono e feito refletir muito, caro leitor, é NORMAL,  ela tem apenas seis letras e seis fonemas e duas sílaba, porém conseguiu me intrigar.
Imagine-se ouvindo inesperadamente alguém perguntar:"Provavelmente no seu dia a dia você não é uma pessoa normal. Deve  ser uma pessoa muito agitada..." Certamente você se calaria e pensaria: se ser agitada é ser anormal, eu sou realmente anormal e junto comigo muitas outras pessoas.
Mas a constatação feita piorou a situação. Outras reflexões surgiram, uma do ponto de vista clínico, outra do ponto social. O que é ser normal nos dois pontos de vista?No primeiro, seria sem nenhum problema de saúde. Do segundo seria falar tudo e fazer tudo conforme o esperado? Aceitar tudo sem reclamar, ser bonzinho, previsível.
Diante dessa reflexão olha que me surge a palavra acrescida de mais uma sílaba  e um fonema A-NOR-MAL e a conclusão, embora a contragosto, eu sou mesmo anormal.


quinta-feira, agosto 16, 2012

Sentir e Amar Andam Juntos

Não há quem não sinta a aproximação de um amor. Os sinais podem ser diferentes, mas eles existem e acenam se devemos correr ou ficar.
Para provar a veracidade desse fato vamos refletir sobre uma intuição que se sente quando se vai sofrer logo na hora que se mira o olhar da pessoa amada.
Também não podemos renegar o pulsar do coração, as mãos frias ou trêmulas, a respiração ofegante, o choque ao fitar o olhar do outro, o frio na espinha, são inegavelmente indícios de que  está a caminho um enlouquecido amor.
É certo que não é à toa que isso acontece, visto que é uma prova irrefutável de que aí está   uma mensagem enviada pela alma, revelando que aquela pessoa pode representar um grande  amor, uma alma gêmea ou mesmo uma algema que poderá fazê-lo sofrer muito.
Também não pense o leitor que tais indícios acontecem apenas com aproximação dos dois, porém, podem surgir até no caso de relacionamentos iniciados através de sites. Ouvi certa feita alguém falar sobre sinais semelhante sentidos sem sequer conhecer pessoalmente o outro envolvido.
Este tema poderá lhe servir como prova para você que neste instante pensa sobre o início de seu relacionamento. Sentiu alguma coisa diferente a aproximação do pretendente? Sentiu? Bom sinal. Provavelmente aí existe o princípio de um novo amor na sua vida. E, que certamente irá abalar suas bases defensivas. Atente, pois, ao alerta, porque na verdade é a mensagem enviada pela alma ao corpo. O corpo é apenas o transmissor do código impresso involuntário que ela guarda como indício do que irás passar ou deveis passar.

Soneto do amigo
Enfim, depois de tanto erro passado 
Tantas retaliações, tanto perigo
 
Eis que ressurge noutro o velho amigo
 
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
 
Com olhos que contêm o olhar antigo
 
Sempre comigo um pouco atribulado
 
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
 
Sabendo se mover e comover
 
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

domingo, agosto 05, 2012

O Sentido da Vida

Em cada contexto, há uma palavra que se torna famosa, principalmente no ensino de Português.A palavra destaque atualmente é SENTIDO. Estuda-se o sentido do verbo, do adjetivo, do advérbio, do sujeito, da inversão da frase, entre outros. Entretanto, estuda-se pouco o sentido da vida. Cujo sentido constitui a base de todos os outros sentidos, pois sem vida, nenhum deles terá sentido.
É incontestável que para compreender-lhe o sentido, muitos outros tem que ser considerados. Nomes. Substantivos como : amor, fé e saúde. Uma vez que são os sustentáculos que dão-lhe rumo.
Sobre o amor, sabe-se que aponta para o como sentir e proceder para que se tenha saúde, já a fé, esta é indispensável para que nos mantenhamos firmes diante das adversidades que tendem a nos testar. Logo, quando não passamos nos testes, desequilibramo-nos e adoecemos. Portanto, se tivermos amor a nós mesmos e aos que nos são próximos, nenhum abalo nos afetará.
Sabe-se que agir dessa forma, ZEN, é bem raro, porque não se trata apenas do sentido semântico, mas do sentido direção. Aquele que nos aponta para onde todos  iremos um dia e para o qual devemos ter bem presente na consciência o que nos cabe fazer, afinal não é nada fácil percebê-lo sem fugir, visto que a vida é tão cheia de armadilhas, de tropeços, de curvas, que muitas vezes é preferível fugir, a enfrentá-los.  Por outro lado, também não devemos nos desesperar visto que  ainda existe uma saída, nada está perdido, pois no meio de tudo ainda existe a sábia inteligência que nos oportuniza seguir pelos desvios e assim decidir pela melhor escolha: aquela que tornará o caminho menos agreste.
É certo que se sofremos adoecemos, mas a doença foi a consequência, a nos apontar que nosso amor não foi suficiente para entender  nossas próprias limitações, nem as daqueles que nos cercam, ou talvez  porque não conseguimos aceitar a liberdade de escolha dos outros, bem como sua limitações para entender o sentido do existir.
É tudo tão bem encadeado! Mas quando se trata do sentido da vida,  está faltando sempre algo: DESAPEGO porque as idas e as vindas exigem tal comportamento. E sabe por quê? Porque não se deve buscar esse sentido naquilo que temos,  naqueles que nos rodeias, nos amores que não tivemos tempo de viver, nos objetos que desejávamos comprar, como é costume nosso. Pois está mais do que óbvio que elegemos o sentido de viver a um máximo que jamais nos  satisfará  devido os nossos desejos serem ilimitados. Se determinamos uma prioridade hoje, amanhã aquela nada mais significará e nesse circulo vicioso buscaremos sem jamais atingir o sentido que nem nós mesmos seremos capazes de designar.
Assim, o melhor será nunca ancorar o sentido da vida em bens perecíveis ou pessoas porque ele só reside mesmo nos substantivos, que nem de longe conseguimos tocar: Amor e fé, logo, se tivermos  ambos, saúde não nos faltará. Bom mesmo é esquecermos aqueles de Português. Se este do qual falamos é difícil de compreender, piores são aqueles já que cada leitor poderá dar-lhe um sentido particular, sem contudo haver coincidência ou   absoluta certeza. Pois depois de escrito quem dá sentido é quem lê.
.